Tags

,

TRANSFORMANDO NOSSO COMPORTAMENTO

Por natureza, nós seres humanos somos irriquietos e agitados e em momentos de crise ou tensão esta inquietação aumenta. Sentimo-nos obrigados a tomar decisões, procurar soluções e planejar estratégias. Se não sabemos o que fazer ficamos andando em círculos procurando uma saída ou falamos sem parar para expressar nossa preocupação ou frustração.

Somos falhos e cometemos muitos erros e enganos, mesmo se façamos o melhor, trabalhemos pesado e tentemos acertar, ainda assim as coisas não saem como planejamos. Geralmente tentamos passar uma imagem de perfeição, mas o fato é que iremos falhar em muitas coisas porque ninguém é perfeito. Infelizmente, a maioria não gosta de aceitar seus próprios erros e fracassos e ficam tão envergonhados que esperam que ninguém os descubra. E apesar desses erros cometidos, deveríamos levantar a cabeça e começar uma nova etapa nos conscientizando que existem áreas em nossa vida que precisam ser transformadas.

Inúmeras vezes Deus, através do Seu Espírito Santo, vem para nos ajudar, mas infelizmente não permitimos porque quem está na direção de nossas vidas é o nosso coração duro controlado pelo orgulho e vaidade. Nossa vida, nosso comportamento e nossas atitudes são reflexos do que há em nosso coração.

E há quanto tempo que não refletimos sobre o que há em nosso coração? Não é fácil fazer isso, porque estaremos encarando nossos defeitos e falhas, mas temos que fazê-lo para que possamos nos corrigir. Devemos nos conscientizar que Deus como nosso Criador sabe que somos falhos e nos perdoa pelos nossos maiores erros, mas o “desejo Dele” é que possamos ser transformados.

E se queremos ser transformados, a primeira providência é que “deixemos de dar desculpas para nossos fracassos”. Devemos parar de culpar outras pessoas pelos nossos erros (é mais fácil colocar a culpa nos outros do que assumimos nossos erros, isso é falta de humildade); parar de usar racionalizações (queremos encontrar uma razão para nossos erros); parar de pensar que sempre somos “a vítima das circunstâncias”.

Muitas coisas podem ferir nossos sentimentos, principalmente as pessoas, e sem dúvida, nos danificar. Mas ninguém pode arruinar nossa vida exceto nós mesmos! Ninguém pode arruinar nossa vida sem nossa permissão. Nós temos uma escolha: podemos escolher como iremos responder às feridas da vida. Não sabemos o que irá nos acontecer no dia de amanhã e depois, depois… não temos nenhuma idéia. Mas podemos escolher como responder a cada circunstância que iremos enfrentar.

Provérbios 28:13, “O que encobre as suas transgressões nunca prosperará; mas o que as confessa e deixa, alcançará a misericórdia”, quem faz isso adquire um novo começo. O ponto de partida é recomeçando a ser honesto e enfrentar o fato que a maioria dos problemas em nossa vida, a maioria dos nossos erros é nossa responsabilidade. Isso é bem duro porque gostamos de passar a responsabilidade. Vivemos em uma sociedade que ama trocar a culpa. Nós culpamos o ambiente, a economia, o governo, nossos pais, etc. Sempre é outro alguém que erra. Tudo é atribuído a qualquer outra coisa. Mas a maioria dos nossos erros, nós é que causamos.

Temos o comando de nossas emoções, temos o domínio próprio? Precisamos saber quando expressar as emoções e quando contê-las. Precisamos saber quando a expressão emocional positiva ou negativa, influencia outras pessoas. Se no trânsito, no trabalho, na escola, na vizinhança ou em outro lugar vivemos reclamando e crititcando os outros, devemos vigiar nosso comportamento para controlarmos nosso ímpeto de reclamar e criticar. O domínio próprio a que estamos nos referindo aqui não se trata de um auto-controle falso, aquele apenas de aparência, mas aquele resultante de desejo profundo de sermos transformados. Alias, as pessoas que ficam reclamando e criticando, não enxerga qualidades em nada e em ninguém, nunca conseguirá receber, sentir e viver as coisas belas e boas que Deus quer proporcionar a seus filhos.

Provérbios 18:21 A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto: Não podemos ignorar esse importante ensinamento bíblico, de que a vida e a morte estão no poder da língua. A língua tem o poder de construir ou de destruir, ela edifica ou derruba, libera vida ou morte. Quando falamos, estamos semeando no mundo espiritual. Através das nossas palavras podemos liberar as bênçãos e através das nossas palavras podemos liberar opressões, maldições, etc. Muitas pessoas estão com a vida derrotada e fracassada por causa das palavras que proferem. Vivem a falar de derrota, de problemas, de dificuldades, de doenças, de medos, etc. quando deveriam falar de solução, saúde, etc. Quando falamos não estamos apenas nos comunicando, estamos liberando vida ou morte. Muitas vezes, num momento de raiva, liberamos palavras venenosas e achamos que essas palavras são apenas uma força de expressão e um jeito de desabafarmos, e através disso, magoamos pessoas. Contudo, devemos aprender a reconhecer e a reparar aquilo que fizemos. Para tal, temos de assumir responsabilidades, pedir perdão e buscar reparação. O que pode significar uma transformaçãod e nossa atitude, “se esta magoou alguém”. Não é uma tarefa fácil, mas se não procurarmos colocá-la em prática, nossos erros nos envenenarão e as pessoas de nossos relacionamentos se distanciarão de nós. A falta de perdão leva-nos a alojar em nosso coração ressentimentos, mágoa e ódio e que conduzirá provavelmente a grandes enfermidades. E esses sentimentos não devem ser permanente em nós para que não nos destrua.

A empatia é a capacidade de “sentir como” outras pessoas, de sentir as emoções de outros como sentimos as nossas. Quando temos empatia, as emoções alheias ressoam dentro de nós. Para alguns é difícil, mas para outros são tão bons nisso que conseguem ler os sentimentos de alguém como se fosse um livro. A empatia nos leva à compreensão, humildade, caridade, enfim, nos leva a ter amor pelo próximo.

O grande problema de Deus com os homens é que este tem de pressa para agir, falta-lhe em paciência para buscar a Deus em oração e esperar. Por que o homem tem tanta dificuldade em esperar em Deus?

– Auto confiança. O homem confia tanto em si mesmo que não sente necessidade de buscar ao Criador. O máximo que sente é a necessidade de Deus abençoar e fazer prosperar seus próprios projetos e planos.

– Falta de tempo. O homem está cercado por tantos compromissos que tem dificuldade em buscar uma comunhão com Deus. E para fugir deste compromisso de comunhão com seu Criador, o homem mergulha nas atividades profissionais, no lazer, nos vícios, etc.

O Criador Todo Poderoso está cansado de relacionamentos à distância com seus filhos. Ele quer um relacionamento íntimo e próximo com todos nós… seus filhos. Ele quer invadir nossas vidas com Sua presença de uma forma tão poderosa que aqueles que olharem para nós, sejam convencidos e queiram também participar dessa tremenda comunhão, pois somente essa comunhão com o Criador e que preenchera todo o vazio em nosso coração, nos trazendo uma abundante paz e alegria de viver.

Precisamos dizer: “Meu Deus e Pai santo, preciso de Sua presença bem próxima de mim, quero seu toque em meus olhos, em meu coração, em meus ouvidos. Muda-me Pai santo, não quero ser o(a) mesmo(a)! Estou cansado(a)… quero ser transformado(a)!

(Fonte: Márcia Hochmann, Jornal “E a família, como vai?”, Ribeirão Preto, Ano II, nº 23)

Anúncios