Tags

A IMPONTUALIDADE DO AMOR

Você está sozinho… Você e a torcida do flamengo, em frente à TV, devorando uns pacotes de bolacha, uma caixa de bombom, enquanto espera o telefone tocar. Bem que podia ser hoje, bem que podia ser agora, um amor novinho em folha.

Trimmm!

É a sua mãe, quem mais poderia ser? Amor nenhum faz chamadas por telepatia. Amor não atende com hora marcada. Ele pode chegar antes do esperado e encontrar você numa fase meio “galinha”, sem disposição para relacionamentos sérios. Ou pode chegar tarde demais e encontrar você desiludido da vida, com medo de sofrer de novo.

Por que o amor nunca chega na hora certa? O amor aparece quando menos se espera. Você passa uma festa inteira hipnotizado por alguém que nem lhe enxerga e não repara em outro alguém que só tem olhos para você. Ou você busca refúgio numa locadora de vídeo, ou no supermercado, sem prever que ali mesmo, você poderá encontrar a pessoa que dará sentido a sua vida.

O amor é mesmo que nem tesourinha de unhas: nunca está onde a gente pensa. Seu amor pode estar nesse supermercado, pode estar impaciente na fila de um banco, na padaria, pode estar cantarolando sozinho dentro de um carro. O amor está em todos os lugares, você é que não tem observado bem. Não fique aí esperando um príncipe!

Não espere ouvir “Eu te amo” num jantar a luz de velas, no Dia dos Namorados. O amor odeia clichês. Você pode ouvir “Eu te amo” quando você menos esperar, assim, “do nada”. E as flores vão chegar num dia qualquer, apenas para informar como você é especial para alguém.

Espalhe que o amor não é banal, é fundamental e que embora estejam distorcendo o sentido verdadeiro dele nos tempos modernos, ele existe e é o ingrediente mais importante da poção mágica chamada felicidade.

Anúncios